Nadir Afonso – O tempo não existe, Jorge Campos

Filed in Curtas PolegarMente.me by on April 16, 2014 0 Comments

2936871486_530544bfaa_o

 

 

 

 

 

 

Ficha Técnica:

Título: Nadir Afonso – O tempo não existe
Realização: Jorge Campos
Fotografias: Olívia da Silva
Música: Dimitris Andrikopoulos
Género: Documentário
Coprodução: Fundação Nadir Afonso, ESMAE, Vigília Filmes.
Portugal, 2012, 55’

Harmonias Criativas

O documentário Nadir Afonso – o tempo não existe é a objectivação de chamamentos díspares que se harmonizam.
Por um lado, a obra cinematográfica é a resposta consentida, logo, previamente sentida, por parte do realizador Jorge Campos a uma espécie de chamamento interior que esteve latente cerca de duas décadas. Designá-la, apenas, como o regresso do realizador a Nadir Afonso é reduzir as harmonias criativas que se manifestam, no desenrolar do filme, ante o olhar do espectador-contemplador.
Por outro lado, o processo criativo do artista Nadir Afonso é a resposta visceral ao chamamento inventivo-criativo que a obra reivindica.
E a primeira dificuldade para o realizador consistiu em saber escutar estes apelos, endógenos e exógenos, espelhando-os harmoniosamente no filme.
Jorge Campos percebeu, com mestria, que Nadir Afonso-artista é indissociável de Nadir Afonso-homem, transformando a câmara de filmar na escolta segura do imperativo da autenticidade.

Filmagens do documentário

Filmagens do documentário

 Nadir Afonso e J Campos

8684285_nmIgoNadir

 

15604965_uvv05

Enquanto Nadir Afonso busca incessantemente a harmonia morfométrica – essência da obra de arte -, Jorge Campos busca a compreensão da essência do homem que preexiste à obra, descobrindo os alicerces da sua teoria estético-cosmológica numa teia na qual confluem as leituras do pai, a convivência com a tia Ricardina e as inquietações com os céus.

Nadir com 1 ano de idade

Nadir Afonso com 1 ano

 Nadir Afonso com 4 anos (de pé) e o seu irmão Lereno

Nadir Afonso com 4 anos (de pé) e o seu irmão Lereno

Desde criança que a centelha criativa estava entranhada na sua natureza: “Aos quatro anos pinto o meu primeiro ‘quadro': um círculo vermelho na parede da sala de minha casa, de tal modo perfeito que ninguém se atreveu a repreender-me. ‘Tu pintaste a parede, Riri?’, perguntou minha mãe. ‘Eu seria capaz de fazer uma roda tão bem feitinha?’, respondi. E toda a minha existência se processou sob o signo do ritmo e da precisão geométrica.”[1]

Nos raros momentos dialógicos entre o artista-pintor e o artista-realizador percebe-se que  Nadir Afonso não é apenas pintor, é poeta que filosofa ou filósofo que poetisa sobre o homem, a arte e o cosmos.

Nadir Afonso - O Filósofo

Nadir Afonso – O Filósofo que poetisa

Segundo Nadir Afonso, “O tempo não existe a priori na natureza. É uma invenção humana gerada a partir dos movimentos dos corpos e do espaço percorrido por eles.”
Convoco Cioran, pensador romeno, para quem o nascimento do homem se dá em simultaneidade com a perda da eternidade. A eternidade, que antecede a temporalidade e a individuação, é o reino do uno primordial: “Depois de ter desbaratado a eternidade verdadeira, o homem cai no tempo, onde não conseguiu, senão prosperar, pelo menos viver: o que é facto é que ele se acomodou. O processo desta queda e deste acomodamento tem o nome de história.”[2]

O realizador intuiu – para utilizar uma palavra nadiriana – que o artista simboliza o reencontro da arte com o cosmos e, por isso, acompanhou-o no deambular por entre as nuvens, a lua, os montes de trás e da frente, o rebanho e o feno.

06

1 (1)

4

3

Vislumbra-se, portanto, uma harmonia entre a perspectiva cósmica de Nadir Afonso, a partir da qual as obras surgem como reinvenções, e as paisagens naturais filmadas por Jorge Campos.
E se a obra de arte é universal e imperecível, o artista que a cria também se erige numa pequena imortalidade que comunga da imutabilidade primordial.
O filme de Jorge Campos é o derradeiro chamamento, o do olhar do espectador ante a ancestralidade das harmonias criativas onde o tempo nunca terá existido…

 

Clérigos, 1941

Clérigos, 1941

Metamorfoses, 1943

Metamorfoses, 1943

__________________________________________________

[1] Nadir Afonso, Visão, 2007
[2] Cioran, La Chute dans le temps (1964),Paris, Gallimard,1995, p. 1156

_________________________________________________

 Elsa Cerqueira

Nadir Afonso e Amândio Silva

Nadir Afonso e Amândio Silva

Nadir no rio de Janeiro, 1952

Nadir Afonso no Rio de Janeiro, 1952

Nadir Afonso3

imagem-postal-olivia-da-sil

Nadir Afonso

Nadir e Jorge Campos

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>